sábado, 8 de julho de 2017

uma palavra

há uma mancha,
uma nódoa
criada por quem não tem
a responsabilidade de
manter o conceito
dessa palavra.

tão sublime...
tão acima do comportamento rídiculo
de quem pensa sê-lo!

tornou-se pejorativa
essa palavra.

tão usual a muitos
a se deleitarem sobre a sombra
fresca daqueles que se tornaram grandes
por terem dado o devido valor
a essa palavra.

é preciso resgatar tais valores,
limpar essas manchas,
retirar toda a nódoa,
cicatrizar a enfermidade

para, enfim, poder dizê-la
em alto e bom som sem o
vexame daqueles que teimam
em ser sem sê-lo.

Miguel de Souza

Nenhum comentário:

Postar um comentário