domingo, 20 de agosto de 2017

INVASÃO lll


                                                                                                      
A Mulher Maravilha saca o laço,
E a Mulher Gato ensaia o seu miau...
Enquanto a BatGirl tange todo o mal,
Que estava perturbando o meu espaço.

                                                             SuperGirl voa rumo ao meu encalço,
                                                             E pousa firme bem no meu quintal;
                                                             E a Mulher Invisível some, a tal
                                                             Ponto de me deixar em embaraços!

Quando a luta, no fundo, se acirra,
Aparece, na minha frente, a She-Ra,
Trazendo junto com ela Arlequina.

                                                            As Negras: Fênix, Gata e Viúva
                                                            Vestem, guerreiras, seus pares de luvas,
                                                             E mostram a vaidade das heroínas!

                                                 Miguel de Souza

  

domingo, 13 de agosto de 2017

Saudade


                                           Para meu pai
A saudade o tempo leva,
E traz no dia seguinte;
E soma-se mais de vinte
Anos que naquela leva,
Te foste deste convívio,
Habitar em outra esfera!
De repente esta atmosfera,
A teus pés tornou-se ínvio...
Agora,és todo abstrato!
-Fiel criatura no adro-,
A tua imagem no quadro,
Imitando o teu retrato,
     Dignifica a memória,
     Daquele que ficou na história.

Miguel de Souza
In: Flores e Pedras









sábado, 5 de agosto de 2017

CÓLERA

Às vezes paro no bulício da vida,
a contemplar os gestos do mundo, e
fico pasmo segundo a segundo,
com o que vejo nesta luta renhida!

E viro fera, às vezes, espavorida!
e, de raiva, rancor, também me inundo,
com a injustiça corroendo a fundo,
a alma do povo sem gozar guarida!

e, se me perco a calma, eu sei, às vezes,
por saber que nos próximos 48 meses,
somos nós quem regemos o futuro...

É porque a culpa é somente nossa,
de colocar lá no poder quem possa,
atravancar esta nação no escuro.

Miguel de Souza
In: Poemais
P. 89

sábado, 29 de julho de 2017

PARABÉNS!

Aniversaria hoje o meu sobrinho Helton Silva, no auge dos seus 35 anos de caminhada. Sempre o vejo meio que descompromissado com as coisas que a vida nos impõe. A tocar sua viola, a viver sua vida! Mas sei que não é bem assim. É impressão minha! Enquanto, envolto com meus poemas, eu vou vivendo com a dura responsabilidade de criar e criar! Foi numa dessas observações que criei o soneto Seria bom. Parabéns!



SERIA BOM
                                    Pro Helton, sobrinho.

É tão bom ter a mente sempre vaga,
e não se preocupar em fazer versos;
ser anônimo, ter outro universo,
outro zéfiro que meu rosto afaga!

É tão bom concorrer a outra vaga,
e dos poemas, ser sempre meio disperso;
e, no mar de palavras, não está imerso,
e esquecer para sempre a sua saga!

Seria bom, se no abrir das cortinas,
fosse branda, essa minha triste sina...
Eu viveria como qualquer um!

Mas só tive no meu destino a sorte
de carregar nos ombros o suporte,
que carrega todo homem incomum!

Miguel de Souza

EM TUDO















Estás em tudo que vejo
Estás em tudo que faço
Estás no que mais almejo
Estás no caminho que traço.

Estás nos olhos do cego
Estás na voz do mudo
Estás em tudo, não nego
Não nego que estás em tudo!

Estás na inocência da criança
Estás na natureza em si
Estás na minha esperança
Em em tudo que me leve a Ti.

Estás no calor do sol
Estás no brilho da lua
Estás nos dias em prol
Da existência que continua...

Estás em todo canto:
Na minha voz! No meu grito!
E para o meu espanto!
Estás em tudo, e descansas no infinito!

Miguel de Souza
In: Pérgula Literária VI
P. 44


sábado, 22 de julho de 2017

DIA DOS AVÓS

VOVOCIDADE OU AVOCIDADE?

          Assim como existem as palavras paternidade e maternidade, deveria existir a palavra "vovocidade" ou "avocidade". O exercício de ter netos. A qualidade de ser avós.
          Reportagem recente de A Crítica fala de Renata, que não tinha sobrenome e nem documentos. Ganhou judicialmente esse direito à cidadania. Renata viveu até os dezoito anos numa instituição de acolhimento de crianças. Sem nunca ter sido adotada, cresceu e se tornou adulta no orfanato, de onde saiu para a vida.
          O sobrenome que adotou é uma homenagem a uma espécie de padrinho que tinha no orfanato. A Defensoria Pública argumentou em juízo que ausência do sobrenome  causava constragimentos e impedia a prática de atos da vida civil. A Vara de Registros Públicos atendeu ao pleito e foi incluído um sobrenome, mesmo que fictício, nos registros de Renata.
          Está de parabéns a Defensoria, o Ministério Público e o Poder Judficiário. Renata, muito feliz, disse que vai entrar com ação para mudar os registros dos filhos e regularizar a situação do mais velho, que mora com ela, mas o pai é que tem a guarda do menino.
          Pensei nessas crianças que nunca terão avós. Jamais saberão o que é "vovocidade". Dia 26 de julho é comemorado o dia dos avós, data promulgada pelo Papa VI em homenagem a Santa Ana e São Joaquim, pais de Maria, mãe de Jesus. Apesar da referência católica, o dia entrou para o calendário laico, pelo menos, no Brasil.
          Minha neta Maria Luísa tem avós maternos e paternos, os quatro exercem com alegria, plenitude e muito amor essa função divina e maravilhosa da "vovocidade". Não é preciso muito esforço para notar como a interação entre netos e avós é positiva. A convivência é muito benéfica para ambos.
          Maria Luísa é uma privilegiada. Levá-la para passear e brincar não é uma obrigação ou uma forma de gastar a energia dela. Estar com a nossa netinha é uma oportunidade deliciosa de curtir e se divertir de verdade com ela.

          É um grande contentamento o exercício da "vovocidade" ou seria "avocidade".

Pedro Lucas Lindoso
In: Palavra do fingidor

*************************************************************************

Dos meus avós tive mais contato com os maternos: o Vovô Luiz e a Vovó Chiquinha, chamados por nós carinhosamente de Pai e Mãe. Dos registros dessa pouca convivência restaram dois poemas onde relato fatos marcantes que perduram na minha retina. Aqui minha homenagem a ambos. É com emoção que publico tais poemas! Êh, saudade!

   VOVÔ

Olha a linha do horizonte,      
Por detrás daquela serra...
O último ponto que encerra ,
A beleza desses montes.

Se não sabe, quer que conte
O que por lá se descerra?
O último ponto da terra,
Diante de nossas frontes!

Da varanda da morada,
Com a voz emocionada,
Relatou-me o VOVÔ Luiz.

Jamais me saiu do tino,
Esse tempo de menino,
Em que eu era muito feliz!

Miguel de Souza

VOVÓ

Da VOVÓ, lembro-me bem,
-enxergava pelos tatos-
Colher, garfo, copo, prato...
Tudo, enfim, que lhe convém.

Até meu rosto também,
Ela sabia de fato;
Era mesmo o maior barato,
Ela era como ninguém!

Na boca, o seu cachimbo.
Esse era o seu carimbo,
Que marcava a sua imagem...

Eu, menino levando água,
Sem trazer nenhuma mágoa,
Por aquela rica passagem.

Miguel de Souza

sábado, 15 de julho de 2017

3

Qualquer ruído nessa noite me assusta. Nessa noite não é permitido qualquer ruído. A presença de quem quer que seja nessa noite me assusta. Não lhes dou a permissão de transpor essas paredes ignorando a porta. A porta para eles não tem serventia. O concreto não existe, o palpável não se palpa. Eu sou o futuro de um passado sem presente. A vida da vida da vida, eu sou. Não tenho medo. tenho fé.

Miguel de Souza