segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

NESGAS

Na torre ímpar
desta nave
vale a...
clave, musicata
aos beócios
                 e
nada mais!


Miguel de Souza

sábado, 6 de janeiro de 2018

Agonia de um filósofo

Consulto o Phtah-Hotep. Leio o obsoleto 
Rig-Veda. E, ante obras tais, me não consolo... 
O Inconsciente me assombra e eu nele rolo 
Com a eólica fúria do harmatã inquieto! 

Assisto agora à morte de um inseto...! 
Ah! todos os fenômenos do solo 
Parecem realizar de pólo a pólo 
O ideal de Anaximandro de Mileto! 

No hierático areópago* heterogêneo 
Das idéias, percorro como um gênio 
Desde a alma de Haeckel à alma cenobial!... 

Rasgo dos mundos o velário espesso; 
E em tudo, igual a Goethe, reconheço 
O império da substância universal! 

Augusto dos Anjos


Blog

Consulto o Google. Leio uma obsoleta
enciclopédia. Continuo à míngua...
Nenhum filósofo, em nenhuma língua,
resolveu o problema que me inquieta!

Ando de um lado para outro. Xingo
a realidade frustra, vil, abjeta...
Mas reconheço: nada disso a afeta.
Vocifero, esbravejo,... E não me vingo.

Se eu fosse jovem, criaria um blog...
Há quem vislumbre nisso algum remédio,
há quem todos os dias monologue

on line, à espera de que alguém o leia!
Se não escapa à aranha, escapa ao tédio
o inseto que se agita, preso à teia!

Marco Catalão
in: Palimpsestos
P: 74

sábado, 30 de dezembro de 2017

OFICINA IRRITADA

Eu quero compor um soneto duro
como poeta algum ousara escrever.
Eu quero pintar um soneto escuro,
seco, abafado, difícil de ler.

Quero que meu soneto, no futuro,
não desperte em ninguém nenhum prazer.
E que, no seu malígno ar imaturo,
ao mesmo tempo saiba ser, não ser.

Esse meu verbo antipático e impuro
há de pungir, há de fazer sofrer,
tendão de Vênus sob o pedicuro.

Ninguém o lembrara: tiro no muro,
cão mijando no caos, enquanto Arcturo,
claro enigma, se deixa surpreender.

Carlos Drummond de Andrade
In: Claro Enigma
P. 42

domingo, 24 de dezembro de 2017

NATAL

É Natal mais u’a vez no calendário.
Do maior homem que passou pela terra, e
deu exemplo de como se vence a guerra,
o mundo comemora o aniversário.
               
Da Paz e do Amor, Ele foi operário,
perdoando, por sua vez, o que erra,
abrandando os corações em guerra,                              
ceifando todo aquele sofrer diário.

Por isto, desde sempre, eu me lembro,
que em vinte e cinco de dezembro,
é festejado em todo o mundo, o Natal!

Negros e brancos, ricos e pobres,
gente humilde ao lado de gente nobre,
todos se unem ao redor desse sinal.

Miguel de Souza

sábado, 16 de dezembro de 2017

MAXIMÍNIMAS

SONETOS SOBRE AFORISMOS

                 “Só existe duas regras para escrever: ter algo a dizer e dizê-lo.”
                                                                                                Oscar Wilde

XXI

Aquele que acha que para escrever,
É preciso viver intensamente!
Não compreendeu o que Adélia quis dizer,
Com seu aforismo a toda essa gente!

E continua, bem sei eu, sem entender
Muito bem o aforismo, infelizmente!
Vivendo a vida apenas por viver,
Sendo cético, ateu, sem fé, descrente...

Pois, aquele dizer em forma de culto,
Que o poeta, lá no fundo, “nasce adulto,”
Tem causado nos outros, desmantelo!

É como Oscar Wilde, na epígrafe, diz
Seu aforismo deveras feliz:
“Basta ter algo a dizer e dizê-lo!”

Miguel de Souza

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

INVASÃO II

Homem de Ferro com Homem de Pedra,
A Coisa. Vêm me oferecer ajuda!
- Robbin diz: “pelas barbas de Judas!”
 E o Homem Invisível nada medra!

Batman, o Homem Morcego, qual quem redra,
Convoca o Super-Man p’ra que me acuda!
Em cenas oníricas, quase mudas,
O Homem Mola dali, não se apedra.

O Capitão América com seu escudo,
Vem me livrar também daquilo tudo!
Com raiva, o Incrível Hulk rasga a calça...

Homem Pássaro voa livre no espaço,
Imitando assim o nosso Homem de aço,
Que seu atlético vôo também ele alça.    


Miguel de Souza

domingo, 3 de dezembro de 2017

SANTA BÁRBARA

                
                      04 de dezembro, dia de Santa Bárbara.

Oh, Santa Bárbara, Mártir e Virgem:
Padroeira das trovoadas, tempestades;
Livrai-nos dessas vis atrocidades,
Que se acometem desde Vossa origem.

Fazei com que o bom tempo não se tinja
De negror pelo mapa da cidade, e
Que diante de Jesus, com Vossa autoridade,
O pedido por nós não se restrinja...

Oh, Santa Bárbara, querida e fiel, a
Reinar incólume nas plagas do céu,
Intercedei por nós junto a Jesus!

Abrandai, Oh, Gloriosa Virgem Santa,
Das aflições perturbadoras, tantas,
Concedendo-nos força, fé e luz!
Miguel de Souza