segunda-feira, 26 de maio de 2014

VANDALISMO

 

... E a estátua do poeta Carlos Drummond de Andrade continua sendo vítima de vândalos, POBRE DRUMMOND! 

                                                  POEMA SEM DISFARCE

                                                  Quando nasceu, um anjo tosco
                                                  desses que sempre assombram
                                                  disse: vai, Carlos! Virar estátua na vida.

                                                  Os vândalos espreitam a esfinge
                                                  que vive sentada no banco.
                                                  O tempo talvez fosse outro,
                                                  não houvesse tantos vândalos.

                                                  O tempo passa cheio de dúvidas
                                                  ora é noite dia sol chuva
                                                  por que tanta dúvida, meu Deus, pergunta sem razão.
                                                  Mas os olhos já não
                                                  perguntam mais nada.

                                                  A estátua atrás da pedra
                                                  é inerte, dura e frágil.
                                                  Não mais conversa.
                                                  Já não tem mais amigos
                                                  a estátua atrás do óculos (quebrado) e do bigode (de pedra).

                                                  Oh, Deus, por que o abandonaste
                                                  se sabias que era humano
                                                  e que viraria pedra.

                                                  Mundo mundo parco mundo,
                                                  se ele se chamasse Sigismundo
                                                  seria uma rima, e uma provocação.
                                                  Mundo mundo parco mundo,
                                                  mais parco é seu coração.

                                                  O mundo precisa saber
                                                  que esse gesto
                                                  essa atitude
                                                  deixa a gente aborrecido como o diabo.

                                   
                                                                                        Miguel de Souza

sexta-feira, 23 de maio de 2014

DE POETA PARA POETA

 
     
                                                              ALMIR DINIZ

     Encontrei-me com o poeta Almir Diniz de Carvalho, o maior poeta vivo do Amazonas, isto digo e afirmo sem pestanejar. Foi uma manhã agradabilíssima, onde podemos conversar sobre o nosso assunto predileto, a poesia é claro! Fui presenteado com dois livros do poeta: "PÉTALAS E PENAS" e "MELODIA PAGÃ". Este, um livro-resposta com poemas do autor publicados na imprensa nacional até 2008, excluída a do Amazonas.
     Após o privilégio de ouvir do autor, os seus sonetos divinanmente bem escritos, Almir Diniz, que me chama carinhosamente de conterrâneo, autografou os dois livros que guardarei como uma relíquia, assim como preservo a nossa amizade. No livro "MELODIA PAGÃ", o poeta disse: "Para o conterrâneo Miguel de Souza, com amizade e incentivo do autor, para que continue a produzir. Manaus, 24 de abril de 2014. No "PÉTALAS E PENAS": "Ao Miguel de Souza, com especial consideração, a amizade do autor." Manaus, 24 de abril de 2014.
     Mas, não é de hoje que o poeta tem esse carinho especial para com esse discípulo. No seu livro de estreia, "ENCONTROS COM A NATUREZA", ele disse: "Ao conterrâneo Miguel de Souza, com o incentivo e a amizade do autor. Manaus, Am 21/08/2001. Em "CAMINHOS DA ALMA", disse: "Ao jovem intelectual Miguel de Souza, conterrâneo e amigo com especial abraço do autor. Manaus, Am 21/08/2001. No livro "OS DEUSES": "Ao jovem poeta Miguel de Souza, que comunga comigo, da vivência interiorana e varzeana, um especial abraço do autor. Manaus, Am 21/08/2001. Isto, sem contar os que não peguei na estante, por preguiça! (risos).
     Cabe a mim, agradecer a gentileza do poeta para comigo, muito obrigado querido conterrâneo, a recíproca é verdadeira, tenha certeza disso


SONETO DE ADMIRAÇÃO

                     Para Almir Diniz

Hoje, fiz algo que deixou feliz
por eu ter conhecido um esteta
homem que honra o nome de poeta
o nosso queridíssimo Almir Diniz!

Que me mostrou nos seus sonetos, diretriz
a direção, o caminho, a reta seta.
No livro "CORPO DE MULHER", até os quadris
não escaparam da inspiração correta!

Como um inimitável coreógrafo
que transporta a beleza do momento
tu esparzes teus poemas aos ventos.

Obrigado poeta, pelo autógrafo
em cada livro teu, que também tenho
e outro dia, ao teu encontro, sei que venho.

                                          Miguel de Souza
   

quinta-feira, 22 de maio de 2014

ILUSÃO DE ÓTICA



                                                Há quem diga que é do mar, reflexo!
                                                Essa imensa, gigante lona azul...
                                                E que de Leste a Oeste, Norte a Sul,
                                                envolve a terra num grandioso amplexo.

                                                Mas, há tantas explicações sem nexo.
                                                O céu que reina sobre o uirapuru,
                                                é o mesmo céu, que em cima do canguru,
                                                deixa o ruidoso dia, ao tempo anexo?

                                                E há também, quem diga desta sorte,
                                                daquele ser, que após a sua morte,
                                                terá no céu, do inferno o seu anverso...

                                                Cheio de pompa, com visões góticas,
                                                o céu não passa de ilusão de ótica,
                                                pano de fundo a esconder o universo!

                                                                               Miguel de Souza

sábado, 10 de maio de 2014

MINHA MÃE

     Minha Mãe me ensinou tantas coisas que fica até difícil enumerá-las. Lembro-me sempre da MAMÃE envolta em afazeres, sejam em afazeres domésticos ou colhendo quiabo, tomate ou feijão para nosso consumo.
     Mas, a lembrança mais marcante era quando íamos de canoa à taberna, a fim de provisões, mantimentos para a dispensa do lar. Aquela viagem calma, contemplativa, era poética! Éramos dois personagens a compor aquela paisagem, sem pressa alguma de chegar. Talvez, por isso, sou ensimesmado, quase em estado de nirvana, às vezes.
     E refaço, sempre que posso aquela viagem, mesmo sendo um homem citadino. Revejo os lugares, os pássaros, as garças a refletirem-se no espelho d'água, as plantas aquáticas, enfim, revejo tudo!
     E, nessa loucura que é a cidade, ainda tenho tempo para admirar a lua, ouvir grilos, o coaxar dos sapos, o incrível sabiá! ainda tenho tempo para a vida!  

GRATIDÃO

Venho neste soneto, oh, Mãe querida,
nesta data em se comemora
o Vosso dia ... Venho sem demora,
Agradecer-vos pela minha vida!

Pois quando era indefeso, sem saída!
Nas primeiras, premissas, faustas horas,
num tempo insenciente de outrora,
amparaste-me emVossa nobre lida.

Hoje, depois de tanto tempo, homem feito,
ainda sinto a gratidão no peito,
Pelo carinho àquele ser franzino ...

Mas, eu tenho certeza, a maior láurea,
foi ter nascido da Senhora, D. Áurea,
para poder cumprir o meu destino.

                         Miguel de Souza