domingo, 18 de outubro de 2015

SONHO REALIZADO

O poema "Sonho de ser palhaço", surge a partir do meu sonho de ser humorista. Pois sempre tive loucura pelos humoristas. Amo todos eles. Mas como acho que não tenho competência, nem talento para tal, contento-me com a missão de ser poeta, o que não é pouca coisa. Afinal de contas, o poeta é um pouco de tudo, como diria a quadrinha popular.
O palhaço Espiga aparece no desfecho do poema quando é apresentado ao público. O fim do poema é o início do espetáculo! A partir daí, nasce esse personagem que ficou implícito por 17 anos. No recital do dia do poeta, em outubro de 2014, na Escola Estadual Francelina Dantas, o palhaço Espiga se materializa.
Foi uma noite mágica e inesquecível. Eu parecia outra pessoa, ou melhor, eu era outra pessoa, era o palhaço Espiga. Alvo de brincadeiras e palhaçadas, juntamente com o meu amigo-irmão, o poeta Edivan Rafael, que  fez a vez do palhaço Sabugo. Fomos protagonistas do melhor recital que já fizemos durante esse tempo todo em que estamos nessa jornada.
Tanto é, que na semana seguinte, voltamos à Escola Francelina Dantas, para uma homenagem em consequência do sucesso que foi. Nunca fui tão aplaudido na minha vida como naquela noite. Foram mais ou menos vinte minutos entre assobios e gritos de eles merecem! Um telão mostrou fotos em momentos outros quando estivemos por lá. Fiquei lisonjeado com a aluna lendo o soneto "O choro do palhaço" e o meu poema que criou asas, "As tintas da natureza".
Foi recapitulando aquela noite memorável que findei compondo o soneto, "Espiga, o palhaço". Existem burburinhos por aí de mais uma aparição do palhaço Espiga. Será?!


                                                           ESPIGA, O PALHAÇO.

                                                 Ah, que saudade do palhaço Espiga:
                                                 de sapatão, com sua roupa frouxa,
                                                 a rolar pelo chão, chamar de trouxa
                                                 o outro... e fazer rir de dar dor na barriga!

                                                 Ô, palhaço engraçado duma figa!
                                                 A enxotar a tristeza sempre chocha,
                                                 transformar em azuis, as horas roxas
                                                 das simpáticas crianças sem fadiga!

                                                 Com seu nariz vermelho, sempre chato...
                                                 Às crianças, jamais ele foi chato,
                                                 por trazer na cabeça exposto calvo.

                                                 E com mais de mil e uma palhaçadas,
                                                 a produzir trocentas gargalhadas!
                                                 No palco, das piadas, ele era o alvo!

                                                              Miguel de Souza

Nenhum comentário:

Postar um comentário